A VOZ DO CORPO: COMO ELE SE COMUNICA POR NÓS…

a voz do corpo: como ele se comunica por nós

A VOZ DO CORPO: COMO ELE SE COMUNICA POR NÓS

 

O presente artigo tem a finalidade de fazer uma breve reflexão sobre a comunicação não verbal e sua importância na comunicação interpessoal.

A linguagem não verbal nasceu muito antes da comunicação verbal.

A comunicação não verbal é feita através de gestos com as mãos, expressões faciais, movimento dos olhos e lábios, ritmo do corpo, ritmo da voz e sua tonalidade e inflexão.

Há outros tipos também de comunicação não verbal que não estão diretamente ligados à observação dos gestos corporais, como por exemplo, meios de transporte utilizados pelo indivíduo, cores das roupas usadas, estilo das roupas usadas, acessórios usados, entre outros.

Estas formas de se expressar revelam muitas coisas a respeito do indivíduo a ser observado como, experiências de vida, status social, condição financeira, cultura, predileções etc.

Estas formas de se comunicar são denominadas comunicações não verbais por não serem expressas por palavras e formam uma linguagem fortemente eficiente no mundo da comunicação humana.

A melhor metodologia para leitura da comunicação não verbal é a observação, análise e interpretação do comportamento sempre em conjunto com a linguagem verbal. Como afirma MARCONI,1996, p.79:

 

[…] a observação é uma técnica de coleta de dados para conseguir informações e utiliza os sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade. Não consiste apenas em ver e ouvir, mas também examinar fatos ou fenômenos que se desejam estudar.

[…] A observação ajuda o pesquisador a identificar e a obter provas a respeito de objetivos sobre os quais os indivíduos não têm consciência, mas que orientam seu comportamento.

 

A linguagem verbal é impreterível, porém, não é absoluta, devendo o observador, como já dito acima, levar em consideração, no momento da análise, a comunicação não verbal.

Em uma oratória, por exemplo, a comunicação não verbal pode ser impactante e impressionar grande número de pessoas que ficam sob sua influência.

Ao historiar, o orador deve estar cônscio de sua comunicação não verbal, atitudes, movimentos, gestos, posturas, expressões etc. para que estas estejam em consonância com a linguagem verbal, não entrando assim, as duas linguagens, em contradição, o que levaria a quem o observa ter a percepção de uma mentira.

Enfatiza-se aqui a importância de se conhecer a comunicação não verbal para quem trabalha com análise de pessoas ou em áreas que necessitem de uma compreensão maior do que o outro está querendo expressar, por exemplo área médica, jurídica, psicológica, entre muitos outros.

Aliás, a importância desta comunicação é tão grande que em qualquer tipo de relacionamento deveria ser levada em consideração.

Comunicação é relação.

A comunicação não verbal se processa num nível abaixo da consciência, enquanto a linguagem verbal se processa no nível consciente, racional, inteligente, tornando-se esta última em a relação interpessoal, uma percepção indireta.

Já a comunicação não verbal traz elementos do nosso corpo, como o usamos na comunicação, nossos gestos, nossa voz e sua tonalização e, também, como a usamos pode transmitir mensagens que podem reforçar, complementar ou negar o discurso.

Mister se faz aqui lembrar que a comunicação não verbal é involuntária, seu processo é silencioso e transparente, ou seja, inconsciente, exteriorizando o estado emocional do indivíduo.

Um gesto pode ter vários significados, por isso é muitíssimo importante também para o observador levar em consideração o meio ambiente em que o indivíduo comunicante está inserido.

Esse contexto pode trazer informações imperiosas para a comunicação, em conjunto com as emoções inconscientes (linguagem não verbal) dando significado à mensagem que se deseja transmitir.

Mas a linguagem não verbal também pode ser usada de forma estratégica e consciente pelo conhecedor de sua teoria e sua técnica. Imagine um advogado no júri: como seus gestos, entonações de voz, movimentos corporais, podem influenciar o jurado no momento da decisão?

Assim, estudos e pesquisas propõem que muitas áreas profissionais podem se tornar imperiosas utilizando-se da análise da expressividade humana sob todos os aspectos, incluindo o silencioso mundo da comunicação não verbal para melhor compreensão do ser humano.

O mundo da linguagem não verbal é bem amplo, mas, infelizmente, o mais utilizado pelo homem é a linguagem gestual.

No processo da linguagem gestual consciente ou inconsciente nasce o poder de potencializar o que se deseja exteriorizar, como pensamentos, ideias, de forma positiva ou negativa.

Desta forma, conclui-se que a comunicação verbal é reforçada e complementada pela comunicação oral, o que traz clareza, expressividade, compreensão, emoção e deixando vir à tona os sentimentos mais profundos do indivíduo. Para isto, durante a comunicação, deve-se observar todo o exteriorizar dos movimentos, para que a verdadeira interpretação aconteça.

Estudiosos do comportamento humano afirmam que a proximidade entre a comunicação não verbal e verbal está cada vez mais crescente, depois do reconhecimento que está aproximação trouxe eficiência e eficácia para as comunicações interpessoais.

Experimente começar a analisar a comunicação não verbal produzida involuntariamente, como dissemos acima, na tentativa de resolução de conflitos, quer sejam judiciais, extrajudiciais, familiares, no âmbito do trabalho ou em qualquer situação em que você se encontra. Posso garantir que o seu conhecimento e os resultados serão muito grandes.

 

 

(Este artigo contou com a colaboração de Isabel C. F. Bolque – Presidente do Instituto MindLaw de Neurolinguística Forense)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *